Recent Posts

21/09/2010

00/00

Os discípulos dormiam
A Virgem Maria estava morta e
Maria Madalena estava morta e
Deus estava morto
Eu vivia
Ele também

Faltava apenas um dia
Mas era quase um insulto
O jeito como Ele e eu nos sentíamos vivos
Porque eu iria morrer também
Ah, eu iria morrer

Eu despi sua bata de fino linho judeu
E observei por alguns segundo aquelas costas
Lisas como as de uma boneca
Cada curva e saliência como um rio de pérolas
Seu cabelos pareciam raízes de ouro
Uma cachoeira impedida de continuar

Eu O virei mas não mirei diretamente nos olhos
Primeiro olhei para o peito, uma mansão
Parecia haver querubins abaixo do jardim ao meio
Que ansiavam para jorrar
Mas era apenas Seu coração
Desavisado
Como eu queria cuidar daquele coração...

Nossos olhos se tocaram
Os meus deviam ser uma vergonha
Na frente daquele par de ônix - dois duros
As minhas esmeraldas eram vulgares, de puta mesmo
Eu tive vergonha
Mas Ele me via muito além
Sorriu por eu não conseguir achar a minha verdade
Porque eu era tão d'Ele, mais que um homem
Mais que uma mulher, mais que um
anjo

Os lábios eram finos e pálidos como a bata
Os meus eram sanguíneos demais - ansiedade, ansiedade
Ele os acalmou e os acalmou
Eu me tornei branca também
Lisa, perolada, seca

Coxas, pêlos*,
Braços em redemoinhos
A cachoeira querendo continuar
Os querubins enlouquecidos
As pérolas feridas
As flores do jardim sendo nutridas
A brancura, a brancura

Eu sempre protegido, sempre, sempre
Eu não iria controlá-Lo
Eu era o pássaro
No redemoinho
Eu era a Sua força

Eu sentia a bata sob meus pés
Eu pisava na bata e gargalhava
A palidez d'Ele sentida no meu queixo desossado
Agora meu sorriso era quase um sorriso
Agora a bata era sagrada
Agora eu era sagrado

Como eu me divertia com a expressão d'Ele
Os querubins agora no Seu rosto
Fluxos de verdade, linhas, linhas
Aqueles ferimentos eram a cura do mundo
Os querubins em silêncio era apenas cansaço
As flores estavam saciadas e a cachoeira
Impedida novamente

O amanhã nosso seria apenas uma exposição desnecessária.

*Ariel - Sylvia Plath

Gian Luca

4 comentários:

Orytcha's Blog disse...

Olá

Achei o post bem legal. Lindo demais. Parabéns

Depois dá uma passada no meu blog e se gostar
siga e comente.

http://orytchasblog.blogspot.com

Forte abraço

CRISTIANO disse...

blza...
legal

tô seguindo, me segue tmb:
http://som-do-pensamento.blogspot.com/

Pedrasnuas disse...

PAIXÃO ENTRE DOIS IGUAIS?

NÃO SEI...NÃO ÉS FÁCIL DE DESCODIFICAR...

SE DETURPEI A LEITURA COM INTERPRETAÇÕES ERRADAS...DESCULPA-ME

BEIJOS

Vivian Mont'Alverne disse...

Muito bom!
Parabéns! :)