Recent Posts

27/12/2010

Os Abutres Tem Fome (1969)



Já na época do declínio do gênero Faroeste, Don Siegel (Vampiros de Alma e Perseguidor Implacável) dirigiu Os Abutres Tem Fome, filme que tem como maiores destaques os diálogos afiados e a divertida relação entre o caubói Hogan (Clint Eastwood) e a freira Sara (Shirley MacLaine), um dos casais mais improváveis do cinema.

Tendo como pano de fundo a precária situação do México, quando o país estava lutando contra o controle da França, o diretor, apesar de lidar com uma situação grave, realiza um faroeste leve e sem maiores pretensões. Hogan salva Sara de um grupo de molestadores e descobre que a freira pode ajudá-lo a penetrar no quartel oficial francês que ele pretende roubar, já que ela está fugindo dos franceses devido a sua ajuda aos mexicanos. Até mesmo a trilha do mestre Ennio Morricone, apesar de memorável e forte, cria uma sensação de bem-estar e diversão. O perigo está lá, mas por muitas vezes fica difícil temê-lo, e no caso da obra em questão, essa é uma boa característica.

Digamos que o filme está mais para o jovial Butch Cassidy do que para os caústicos Era Uma Vez No Oeste ou Três Homens Em Conflito. Os diálogos entre a dupla são repletos de piadas relacionadas aos aspectos tão incomuns envolvidos (o maior deles sendo o fato de uma religiosa estar envolvida com um caubói, obviamente). Maclaine (sempre linda, até hoje) faz de Sarah um conjunto forte, simpático e por vezes quase etéreo (devido a sua posição em um ambiente tão inóspito) sob a bata e o crucifixo. O vigoroso Eastwood (até hoje) não muda muito o jeito durão, impertinente e irônico de qualquer outro faroeste que tenha feito, porém agora ele se mostra mais relaxado e cômico, enfim, o filme permite essa nova dimensão do forasteiro. Até mesmo os estímulos para o roubo do quartel fogem do padrão tradicional dos heróis do Oeste: Hogan não quer o dinheiro para comprar um rancho e criar cavalos, mas sim para construir um cassino em São Francisco, a grande cidade em ascensão (estamos falando do final do século XIX).

Algumas passagens são extraordinárias e memoráveis, como a comicidade e a tensão que envolve a explosão de uma ponte e as sensacionais performances da dupla, tendo o ápice quando Sara tenta tirar uma flecha de Hogan após um ataque indígena. Siegel cria uma seqüência sem pressa e bastante rica em conteúdo, dando preferência aos closes que mostram a grande aflição (e determinação) de Sara e a descontração aparente de Hogan.

O clímax, apesar de bem feito e até ousado (estamos ainda no final dos anos 60), é o que menos importa, na verdade. Quando chegamos a ele, Maclaine, Eastwood e Siegel já fizeram o melhor do filme. O título original faz muito mais sentido à atmosfera do filme do que o tendencioso título brasileiro, que carrega um peso negativo que o filme não possui.

6 comentários:

William disse...

Os filmes de Clint Eastwood são fantásticos. Alguns são verdadeiras obras primas. Ele teve altos e baixos na carreira como quase todos tiveram. Gostei muito também de um dos últimos filmes dele: Gran Torino.
Abraço e boa noite.

Diego Miranda disse...

Nunca assistir este filme, vou ver se acho em algum lugar pra assistir

M. Araújo disse...

Você foi o único que conseguiu perceber o que quis dizer no poema.O único.

Ana Pe disse...

Gian,
Te desejo um 2011 de grandes realizações, muito amor e boas gargalhadas!
Um beijo grande!

Dayane Pereira disse...

Eu não assiti mas o enredo parece ser muito Bom.
Clint Eastwood, afinal

Caio disse...

Divertidão, e a trilha de Morricone nesse é uma de suas melhores, muito criativa. E, Don Siegel é mestre também. Tô com O Estranhos Que Nós Amamos aqui pra ver, dizem ser o melhor dele(s).