Recent Posts

01/12/2010

Canção de ninar

Mamãe, mamãe
Eu nasci com cheiro de hospital
E você amou
Eu nasci quando você tinha 18 anos
E você amou
A sua vida estava completa
Você amou tanto que pensou que não poderia aguentar

Qualquer possibilidade de erro
Estava completamente fora de questão
Eu era recheado de azul, de nuvens, de silêncio
Parecia até que eu tinha o dom da vida
Talvez eu tivesse o dom da vida

O dom do sucesso e o dom do sucesso
Você me imaginou grande
Seu filho brilhoso como peixe
Seu filho grande como Hamlet
Você nunca leu Hamlet, mamãe
E você não está perdendo nada

Você me viu com maleta preta, sapatos pretos
Um carro grande e uma casa com piscina (como você ama piscinas!)
Um ir e vir calculado como esquinas
Uma mulher pequena iria me roubar de você
Mas você estaria feliz
Porque mulheres pequenas dão filhos quadrados
Como os vidros de seus perfumes

Quando eu tinha 12 você viu algo que te apavorou
Até hoje você não admite
Mas eu te apavorei
Foi pior do que aqueles bebês-ratos que você viu na cozinha
E algo aconteceu entre nós
Uma fissura terrível nos nossos corações
Os nossos corações nunca mais se encontrariam

Você passou noites se perguntando
Onde estariam meus amigos
Onde estaria a minha mulher pequena
Nem a lua te aquecia (você já viu a lua, mamãe?)
O sol te deixava doente
Você sabia que eu tinha matado meu futuro aos 12

Mamãe, mamãe boa
Como você suportou todos esses anos?
Ser seu filho foi o suficiente?
Você poderia ter me asfixiado
Mas você não é grande o bastante
Feitos grandes não cabem no seu grande coração

Nossos olhos às vezes se esbarram
Como freiras assustadas
Algumas partes dos nossos cérebros aindam tentam entender
O que há entre nós
Mas não há mais nada entre nós

Agora você me vê diminuindo como uma anoréxica
E a sua cicatriz não valeu à pena
Cicatrizes nunca são boas o suficiente

Não existe mulher pequena, mamãe
Nunca irá existir
Nunca irão existir filhos quadrados
Eu provavelmente não teria tempo

Você pode se agarrar naquelas fotos do convento
E ficar velhinha junto a elas
E até sorrir mais vezes
Você ainda tem chance, mamãe

Foi apenas um sonho, mamãe
Seu filho, seu filho
Nunca existiu.

Gian Luca

4 comentários:

Emmanuela disse...

Nossa ! lindo, melancólico e profundamente emocionante.

Roderick Verden disse...

E põe melancólico nisso! Muito bonito mesmo, mas, mais uma vez, se bem entendi o texto está comprovado o q nossos pais passam pra nós, nem todos, mas muitos.

Pedrasnuas disse...

É TUDO MUITO ESTRANHO...ESSE SARCASMO, ESSA IRONIA...ESSA DOR DSFARÇADA...OU FALAS POR TI OU FALAS POR ALGUÉM... COMO SOU CURIOSA OUSARIA QUESTIONAR-TE COMO TERÁ SIDO ESSA INFÂNCIA...?

BEIJO MUITO GRANDE

Max William Morais disse...

Outras cenas se misturam aqui... Com grande melancolia uma vida é narrada, ou uma personagem de uma vida! Não somos tudo aquilo que os outros gostariam... Talvez nem o que gostaríamos, vai saber! O mistério se esconde em si, somos apenas acompanhantes! :]