Recent Posts

30/06/2013

O Rei Leão – O Marco da Broadway

A versão da Broadway de O Rei Leão, um dos maiores marcos de animação da Disney, estreou nos EUA em 1997. Sendo o quinto espetáculo da Broadway com mais tempo em cartaz, O Rei Leão – O Musical já arrecadou mais de 850 milhões de dólares, se tornando o musical mais lucrativo de todos os tempos. Agora, em 2013, fãs brasileiros tem a oportunidade de assistir à versão brasileira da peça, que está em cartaz em São Paulo. E fique sabendo: o espetáculo não deixa nada a desejar à sua versão original.



Os espetáculos da Broadway são conhecidos pela sua grandiosidade implacável. Com investimentos milionários, várias adaptações mundialmente famosas (oriundas do cinema e/ou da literatura) ganharam o coração do público amante de musicais, desde os clássicos Hello Dolly! (que ganhou uma ótima versão brasileira, dirigida por Miguel Falabella), My Fair Lady, Cats, Cabaret (que recentemente esteve em cartaz no Brasil), até os mais recentes Chicago e Mary Poppins. Mas nenhuma foi tão ousada como a adaptação da produção animada da Disney.



A começar pela ousadia em reproduzir no palco todas as cenas que vemos na animação original. Para os fãs do filme, sim, tudo está lá: a sequência inicial com os animais da floresta indo prestar homenagem à Simba ao som da poderosa canção Ciclo da Vida (e não se assuste quando um elefante enorme estiver descendo no corredor da plateia rumo ao palco, onde encontramos atores criativamente caracterizados de girafas, leopardos e outros animais), o cemitério de elefantes, a debandada (uma mistura genial de sombras, bonecos e atores/dançarinos caracterizados de gnus), a conversa de Simba com o fantasma do pai (em uma montagem tão genial que deixo para escrever sobre ela com mais detalhes mais à frente), o crescimento de Simba junto aos seus dois melhores amigos (os inesquecíveis Timão e Pumba), e o duelo final entre Simba e Scar, só para citar algumas passagens mais marcantes.


As soluções encontradas pela diretora Julie Taymor (da versão original) para colocar no palco o que foi feito com lápis, tinta e papel são admiráveis. Desde cenas menores, como o famoso monólogo de Scar enquanto se prepara para devorar um ratinho (“A vida não é justa, não é?”), até as mais complexas, como quando Simba, Nala e Zazu interpretam a canção Eu Mal Posso Esperar Para Ser Rei, são montadas com incrível criatividade e hábil agilidade. Enquanto o ratinho de Scar é apenas uma sombra na parede do fundo do palco, fantoches gigantes e com cores vivas que remetem ao fascínio africano se transformam em girafas e avestruzes com movimentos espetaculares durante a canção performada pelo trio. Outra solução digna de nota é como a diretora deu vida aos personagens de Zazu e Timão: dois atores manipulam fantoches dos animais o tempo todo, sempre ‘camuflados’, o ator de Zazu caracterizado com cores e vestuário que remete à ave, e o ator de Timão todo pintado e vestido de verde.


A agilidade com que tudo isso é feito é um deleite para os olhos (as cenas na Pedra do Reino são um exemplo disso). Algumas cenas possuem uma duração muito curta, e é incrível presenciar uma troca de farpas entre Mufasa e Scar em uma caverna, para segundos depois darmos de cara com a impressionante árvore brilhante do macaco-profeta Rafiki, que já desaparece minutos depois para dar lugar aos campos relvados do reino de Mufasa (que são formados por bailarinos com trechos de relvas sobre suas cabeças). O jogo de luz e sombra também é essencial, como na já supracitada sequência do ratinho, e em outras mais grandiosas, como quando Scar reúne seu exército nazista de hienas sob a canção Se Preparem, e na morte de Mufasa. Nesta última, o efeito de luz serve como recurso dramático e prático, já que disfarça o fato do ator estar amarrado a uma corda.



Porém, ao mesmo tempo em que a montagem criativa e ágil forma um todo espetacular, às vezes ela pode prejudicar as partes. Uma franquia musical como O Rei Leão, que faz questão de dar vida nos palcos a todas as cenas do filme, não permite que os atores ‘fujam’ a nenhum instante de seus papeis milimetricamente projetados. O teatro como espaço de improvisação e surpresa praticamente não existe, já que tudo precisa de um tempo absurdamente preciso para ser feito, desfeito e feito novamente. Os musicais da Broadway, especialmente os que mais se atém às suas versões originais, estão mais perto da rigidez do balé do que de uma composição de atuações mais orgânicas. O elenco brasileiro é no geral bom, principalmente César Mello, Osvaldo Mil e Phindile Mlhize, que interpretam Mufasa, Scar e Rafiki (a importância do seu papel cresce ainda mais na peça), respectivamente. Os atores encarregados de dar vida à Zazu e Timão, Rodrigo Cambelot e Ronaldo Reis, também são muito competentes em suas complexas tarefas. Já os atores mirins sofrem mais com essa rigidez, com desempenhos às vezes descambando para o superficial.



Entretanto, o todo ainda vence. A sequência em que Simba tem uma conversa reveladora e decisiva com o espírito de seu pai faz com que esqueçamos as falhas da produção. Ao som da espetacular canção Está em Ti, atores camuflados entram no palco, cada um carregando uma peça do grande quebra-cabeça que formará o rosto de Mufasa. Quando o rosto gigantesco aparece e a boca se abre, é impossível conter o arrepio e admiração. É tão emocionante quanto a obra original.


As versões brasileiras das canções, que no original ficaram por conta de Elton John e Tim Rice, são assinadas por Gilberto Gil, que faz um excelente trabalho. Porém, para o público mais acostumado às versões brasileiras de 1994 para o filme, algumas passagens podem causar algum estranhamento devido à alteração das letras. Mas a emoção que as canções carregam são as mesmas. A inserção da canção Está em Ti (no original He Lives in You), que pertence à sequência O Rei Leão 2 – O Reino de Simba (de 1997), foi uma decisão bastante acertada da produção original, e a música acaba se tornando uma das mais emocionantes da peça, aparecendo nos momentos mais decisivos da história (impossível esquecer a canção 
sendo interpretada por Mufasa sob um céu estrelado)


Com quase 2 horas e meia de duração, devido a vários momentos em que bailarinos e cantores interpretam canções africanas entre as cenas do enredo principal, além de números solos (como o emocionante número de Nala, interpretada por Josi Lopes), O Rei Leão é uma experiência única, tanto para os amantes de uma das maiores histórias que a Disney já contou, quanto para os admiradores de grandes musicais. Aqueles musicais inesquecíveis, como este aqui. 



Confira o vídeo da performance americana da abertura do musical:



4 comentários:

Rafael Ayala disse...

Fazia muito tempo que não passava por aqui. Já até estava a esquecer o quanto tu escreve bem.

Ótima análise!

Eu adoro o filme e a peça parece ser muito boa também.

Quem sabe um dia...

Abraços

=]

Gian Le Fou disse...

Obrigado pelo comentário, Rafael. Se vc tiver a oportunidade, não deixe de conferir o espetáculo. Abraços!

Dayane Pereira disse...

Eu tb assisti e AMEI AMEI AMEI! Fiz uma resenha tb no blog!
Eu tb achei a cena "Esta em Tí" uma das mais lindas e emocionantes, cara, sensacional! Tudo é maravilhoso, nem me importei tanto com a mudança das letras que estamos acostumados (mas Hatuna matata foi sacanagem kk).

Anderson Zucolotto disse...

Ótima critica amigo, falando dos pontos fortes e apontando os a desejar também.